sábado, setembro 19, 2009

Desde que eu me entendo como uma pessoa com vontade de ser DJ, eu procurei de todas as maneiras estudar e pesquisar equipamentos de DJ e avaliá-los dentro do possível (sempre que eu vou pros EUA normalmente eu faço isso nos guitarcenters da vida). Mesmo não podendo ir lá esse ano para ver os novos lançamentos da Pioneer, vou expressar minha opinião em relação ao que eu vi no Youtube destes.

Mas as mudanças neste universo estão começando a ficar estagnadas e a coisa tá começando a ficar meio enrolada. Ainda mais agora com o lançamento da nova série da Pioneer CDJ-900 e CDJ-2000. Mas para iniciar minha crítica (eu só vou falar mal, então preparem-se), vamos para um parágrafo de história. É rapidinho, prometo:

Era uma vez a Technics. Ela fazia toca discos. Os DJ's a adoravam. E aí veio o CD. Mas o CD veio pra ficar, aparentemente. E o Vinil - que diziam que iam morrer, não morreu. Até ficou abandonado e todo mundo começou a comprar CDJ. Aí veio a MP3. Aí a Pioneer ficou miope, esqueceu o óculos, e não fez decks que liam MP3. Outra coisa que ninguém conseguia entender era que DJ queria o manejo de disco equivalente a SL1200Mk2 da Technics. A Pioneer ignorou isso também. Aí a Denon chegou, fez o DN-S5000 e juntou MP3 com o Prato giratório. Felicidade temporária. Mas aí um grupo de engenheiros fizeram nessa zona toda o Final Scratch. Que era ruim, mas era bom. E outra galera resolveu fazer o Serato Scratch Live. E aí 80% dos que eu conheço aderiram ao Serato e acabou a história.

Ah é, esqueci que a Technics tentou lançar algo parecido com a MK2, chamado SLDZ1200Mk2, que não colou. Mas vamos lá:

Se partirmos da premissa que todo o DJ sempre quis e prefere tocar em Vinil, veremos que qualquer oportunidade de voltar a tocar com vinil sempre será muito bem vinda, independente da categoria de DJ (mobile/radio/festa/performer/artist). É por isso que a idéia dos Vinyl Emulators (Serato, Tork, Final Scratch e afins) sempre serão muito bem vindos, por causa da versatilidade e flexibilidade que ele proporciona, além do privilégio e o prazer de tocar usando Vinil.

Depois de muito penar com a Internet no hotel (no momento estou em Campo Grande, MS, a trabalho), consegui ver os videos de apresentação da CDJ-2000, CDJ-900 e do DJM-5000 (sim, veio um mixer nessa história toda).

E a minha impressão é a seguinte: A galera da Pioneer fez um curso relâmpago de "como vender algo para o consumidor que ele já tem só que com poucas diferenças", com o Steve Jobs. Da mesma forma que ele quer vender iPods "diferentes" só que "iguais" em essência, a Pioneer quer fazer exatamente a mesma coisa. Tanto é que da série "mil", a CDJ tem 1000MK1, MK2, Mk3 e agora a CDJ-2000.

Tem coisas no CDJ-2000 realmente interessantes: Sempre achei que midias de cartão seriam o futuro e substituiriam o CD (como HD externos e afins), e eles foram agora adotados como portas de acesso a músicas. Eu acho foda o conceito de levar um cartão SD de 20gb só com as músicas que você vai tocar e colocar essa case na Carteira.

Já a idéia de compartilhamento de músicas entre decks foi aplicada primeiro pela DENON no DN-S5000 se não me engano (tinha entrada de cabinho de rede nele, não tenho certeza mas eu acho que sim) e aquele botãozinho de girar já era usado pela Denon e pela Numark no TTX faz MUUUUUUUUUUITO tempo. Então, até aí nada de novidade.

O Needle Scrolling com o dedinho demorou muito pra sair na minha opinião. E não colocar o mesmo na CDJ-900 é o tipo do espírito de canguinha que foi praticamente desnecessário. O fato de ele compartilhar múscias de 1 hd para 4 decks diferentes num DJM-800 realmente é muito interessante até dar pau neste HD, e aí você fica vendido na história. Mas realmente eu estou sendo pirracento.

Mas agora, se você notar no discurso de quem apresenta o CDJ-2000, você nota que ele mostra um software chamado Rekordbox que se propoe a organizar suas faixas para uso nas CDJ's. Mas pra quê isso? Será que ajustes via ID3 não seriam suficientes? Ah sim, tem que criar "crates". Mas isso já tem no Serato né? É.... Nossa, que evolução heim Pioneer! Redescobriu o disco.

E outro detalhe que ele fala é que "você não precisa ficar levando seu laptop para cima e para baixo para todo o evento que você for fazer". Ora caraios, e levar aquela CDJ é realmente um passeio.

Eu lembro perfeitamente que quando eu fiz as cases do meu primeiro CDJ player da Pioneer - o CDJ-500II - o tamanho não era tão diferente do da Mk2 não. Com o tempo diversas variações do player foram criadas para atender diversas demandas: seja dos dj's portáteis de festinha, dos dj's residenciais e eventuais e os artists/performers. E a grande verdade é que a Pioneer só serve bem o primeiro grupo, porque os DJ's artists/performances estão, na maioria das vezes, aderindo mais e mais aos Vinyl Emulators.

Agora para quebrar definitivamente a Pioneer, vamos fazer cálculos, que é o que interessa:

Vamos calcular os preços em Dólares, considerando comprar tudo lá numa Guitar Center da vida, ok? Não vou calcular o preço no Brasil mas considere aí multiplicar os valores que eu vou fornecer por 3. (nota: os preços em dólares eu tou incluindo as taxas que os estados cobram)

2 Technics SL1200Mk2 - U$ 490,00 (Total U$980,00)
1 Mixcer DJM-400 Pio - U$ 430,00
1 Serato Scratch SL3 - U$ 720,00
1 Notebook Toshiba - U$ 900,00 (obs: um razoável, com bastante HD disponível)
1 HD Externo 160gb - U$110,00 (qualquer marca, desde que portátil para backup)

Logo teremos:

Total dessa configuração: U$3140,00, equivalente a R$5.664,25 reais (dólar do dia)

Se considerarmos o preço da CDJ-2000 como sendo U$2.500,00 cada:

2 x CDJ-2000 - U$5.000,00
1 x DJM-400 - U$430,00
1 x HD Externo 160GB - U$110,00

Logo teremos:

Total dessa configuração: U$5.540,00, equivalente a R$9,993,61.

Em ambos os casos, desconsiderei taxas de importação e o preço das CASES.

Nota-se que temos uma diferença gritante de preço de configuração. E o Vinyl Emulator tem versatilidade de ser usado desde com uma CDJ-100S até mesmo um CDJ-2000. Então se você quiser ser um DJ móvel, ainda assim vale você comprar um kit serato e comprar um par de CDJ-400's ou CDJ-200's para somar que você vai ficar BEM ABAIXO do valor de uma configuração top de linha.

A Pioneer falou que vai abrir financiamento para a compra dos dispositivos. Cara, financiamento! Para comprar CD Player profissional! Fala sério. R$10.000,00 é a entrada de um automóvel novo praticamente.

A Pioneer, ao meu ver, revolucionou pouco nos seus conceitos, mas da mesma forma que ela tomou o lugar da Technics em "Industry Standard" para DJ Players de CD, ela perdeu o lugar pra Rane para Vinyl Emulators ou afins (até porque nem é essa a proposta dela, mas em vender players profissionais para DJ's).

Quem quiser coprar o respectivo, fique à vontade. Eu dificilmente acho que valerá a pena. Só as boates norte-americanas vão comprar essa porra e te digo mais: 80% dos DJ's não vão usar case de cd's porque até eles estão de saco cheio de ficar gravando CD's. :)

That's all for now. Se eu tiver que retificar alguma coisa no texto, só vou fazer a partir de segunda feira. Fique à vontade para comentar.

Cordial abraço e bom fim de semana.

Um comentário:

Honestino Afonso Xavier disse...

interessante seu blogger..

quando der vista o meu..

deixa recados..

abraços