domingo, dezembro 18, 2011

COMO VENDER SEUS EQUIPAMENTOS DE SOM PARA DJ

Há mais ou menos 3 meses atrás eu tinha uma extensa lista de equipamentos de som para DJ, usados, aqui em casa, e pretendia me livrar deles. Consegui vender quase todos, e hoje só falta vender um dos itens (uma central de efeitos da Korg, modelo Kaoss Pad 3). Todos os outros foram vendidos.

Mas não foi uma missão fácil (embora nem tenha acabado ainda)... Pelo contrário, foi muito penosa, chata, dificil. Tinha horas que eu achava que nunca ia conseguir vender, e até pensei em aceitar a proposta de um amigo DJ que fez uma oferta no "pacote completo" com 40% de desconto, o que pra mim era demais. Achei melhor continuar anunciando os produtos nos sites de venda de produtos usados do que passar tudo pra frente de uma vez por quase pela metade do valor real deles. A persistência valeu a pena.

Acho que uma série de coisas influenciam a sua chance de vender um produto usado, e pra quem tá passando por situação semelhante, deixo aqui algumas dicas importantes que podem ajudar nessas horas de sofrimento.

1) Anuncie em vários sites e fórums ao mesmo tempo -- existem várias "comunidades" no Orkut e páginas e fan pages no Facebook específicas para compra/venda de equipamentos de som usados, é só procurar. Lá você pode encontrar possíveis interessados, e é um lugar que não cobra taxa de anúncio nem comissão de venda. Além disso você pode fazer novos contatos, trocar informações sobre equipamentos, e "falar" diretamente com o seu públic-alvo. Também é possível anunciar nos 3 maiores sites de vendas de produtos usados do Brasil, que são o Mercado Livre, o OLX e o BomNegocio.com. O Mercado Livre é o que eu menos gosto, porque cobra comissão e taxa de anúncio, e te obriga a usar o Mercado Pago, que é uma porcaria (além de ser ilegal, pelo fato de ser venda casada -- dizem!). Recomendo anunciar nos três pra ter uma visibilidade maior. 

2) Explique detalhadamente o estado do produto -- acho que o interessante neste caso é demonstrar ao comprador que você é uma pessoa extremamente cuidadosa (se for o caso, claro). Eu, por exemplo, procuro deixar claro que mandei fazer um hardcase da melhor qualidade pro equipamento (e que nunca saiu de casa sem o case), que tenho as caixas e manuais originais (pra provar que fui o primeiro dono, e que sou organizado, cuidadoso e zeloso), que nunca aluguei/emprestei o equipamento para terceiros (era pra uso próprio), e também procuro explicar que tipo de evento e com qual frequência eu os realizava (assim o comprador tem uma noção da "kilometragem" do aparelho). Também procuro informar se já realizei alguma manutenção, seja preventiva ou corretiva, se as peças são todas originais ou não, e também procuro colocar o máximo possível de fotos (do próprio aparelho, e NÃO de similares tiradas da internet), com a melhor resolução, para que o comprador possa ver e analisar todos os detalhes. Se possível também faça vídeos mostrando as funcionalidades do aparelho.

3) Faça um "follow up" no comprador, caso ele faça uma pergunta sobre o produto e logo depois "suma do mapa" -- eu costumo guardar os emails com as perguntas que me fazem, e uma vez por semana eu dou uma olhada nesses emails vendo quais foram as últimas informações passadas pelos possíveis compradores. Muitas vezes a pessoa dizia: "estou levantando uma grana, e segunda-feira que vem eu te procuro", mas raramente voltava a me procurar. O que eu fazia era justamente guardar esses emails e de tempos em tempos consultar pra ver se tinha alguém que tinha falado que ia retornar, mas não retornou. O meu papel era mandar um novo email perguntando: "e aí, resolveu alguma coisa?", ou um SMS, ou dar um telefonema, dependendo de cada caso. Acho que esse follow up ajuda bastante, porque se você não insistir até a pessoa falar "não, obrigado, eu não quero comprar", você nunca vai saber se ela realmente estava querendo comprar mesmo ou só queria encher o teu saco.

4) Tenha muita paciência -- essa é a dica mais importante. Como comentado no item 3, muitas pessoas que te procuram, na realidade, não têm a mínima condição financeira pra adquirir o aparelho que você está vendendo, algumas vezes, por milhares de Reais. Elas entram em contato com você e fazem uma oferta muito abaixo do valor do seu produto (vou comentar isso daqui a pouco), só por fazer, porque não tem dinheiro. Acho que o objetivo dessas pessoas é meio que fazer uma "masturbação mental", ou seja, elas ficam se imaginando comprando o seu produto de R$ 4 mil por R$ 1 mil (caso tivessem realmente R$ 1 mil), então elas ficam perguntando, negociando, pechinchando, fazendo ofertas malucas, mas no final das contas dali não vai sair negócio. Mas é difícil você detectar esse tipo de gente, então acho que o conselho é: pelo menos no início do contato, trate as pessoas com paciência, presteza, cordialidade, etc. Caso você detecte se tratar de um punheteiro cerebral, aí pode tratar o cara que nem comédia.

5) Tente vender o produto a um preço justo -- é difícil estimar o preço de uma mercadoria usada. Acho que basicamente o preço vai depender de uma série de coisas. Em primeiro lugar, caso o produto ainda seja comercializado NOVO, vale a pena conferir qual é o preço do produto Zero Kilometro na loja. Caso seja importado, é interessante analisar o preço de venda na loja aqui no Brasil, mas também o preço lá no exterior. Claro que nem todo mundo vai ter condição e tempo pra sair daqui do Brasil, pegar um avião pra Miami, comprar o produto lá e voltar; ou então comprar no Paraguai; mas tem muita gente que faz essa comparação, até porque hoje em dia tem frete aqui pro Brasil a um preço razoável. Geralmente a conta que se faz para se chegar ao preço do USADO em função do NOVO depende do tempo de uso, e do tipo de uso do produto. Se o uso for intenso, acho que vale a pena depreciar uns 20% por ano. Se for menos intenso, 15% ou 10%, dependendo do aparelho. Também é importante checar os preços dos concorrentes usados, e comparar com o seu. Lembre-se de levar em conta se o seu produto está muito bem cuidado ou não, o que poderia eventualmente justificar um preço maior do que o da concorrência. Outra coisa que influencia no cálculo do preço é a demanda do mercado, que tem épocas que está mais aquecida, menos aquecida, e isso também varia de acordo com a época do ano (em Dezembro as pessoas recebem seu décimo terceiro salário, então é uma época boa pra vender).

6) Não aceite ofertas muito agressivas -- se você fez uma precificação justa no item 5, não há nenhum motivo pra aceitar uma oferta de mais de 10% de desconto. Na minha opinião, 5% é o máximo de desconto que se pode dar. Eu já acho 10% muita coisa (a não ser que o mercado esteja muito fraco). Eu sei que algumas vezes bate um desespero, porque você já anunciou seu produto há uns 2-3 meses, e poucas pessoas entraram em contato, e todo mundo fez uma oferta muito abaixo do seu preço, e ninguém se interessou muito. Mas talvez conseguir vender um produto específico para DJ seja difícil mesmo, de forma que o tempo total decorrido do seu primeiro anúncio até a concretização da venda pode levar até uns 6 meses. Tenha calma e paciência, e seja firme com o comprador explicando as vantagens do SEU produto (como o estado de conservação). Faça de 5% a 10% de desconto pra ele ficar feliz, mas tome cuidado com as ofertas de parcelamento, cheque, trocas, etc. Veja abaixo.

7) Cuidado com a sua segurança -- na hora de passar seus dados pessoais, receber as pessoas na sua casa, aceitar parcelamentos ou cheques. Para não passar nenhum perrengue, recomendo receber os possíveis compradores na portaria do seu prédio (caso more em prédio), e avise antes ao porteiro que você vai receber uma pessoa estranha na portaria, e que é para ele ficar prestando atenção em tudo. Ao passar o seu endereço, não divulgue o seu apartamento (só o número do prédio), ou com quem mora -- avise ao comprador que ao chegar na portaria você estará esperando ele. Eu não recomendo também, em hipótese alguma, fazer parcelamentos ou aceitar cheques. Conheço VÁRIOS casos de amigos diretos meus que venderam nessas condições e levaram um "tombo". O ideal é receber o dinheiro à vista, em mãos.

8) Se não conseguir vender um "kit", separe-o em peças menores -- eu estava anunciando há um tempo atrás um kit contendo 2 caixas de som, 1 amplificador e 1 equalizador. Eu recebia muitas propostas pra comprar só o amplificador, ou só o equalizador, etc., mas eu nunca aceitava, pois achava que não conseguiria vender as caixas separadamente -- o que é uma inverdade. Quando eu percebi que dificilmente conseguiria encontrar uma pessoa precisando justamente do kit completo, exatamente ao que eu estava vendendo, é que eu resolvi vender as peças separadamente. Dessa forma, se você tem um "kit", seja ele de caixas + amplificador, de CDJ + mixer, ou qualquer outro, anuncie também os itens separadamente, e pondere sobre a possibilidade de aceitar ofertas para a compra de uma parte dos itens do kit. Inclusive muitas vezes você vai conseguir até mais dinheiro vendendo todas as peças separadas do que se vendesse tudo junto num pacote só, pense nisso!

2 comentários:

Pedro Mascarenhas disse...

Vendeu o Kp3? quanto quer? estou loco atrás de um..meu email é pedro.masca@hotmail.com

Marcelo KPZ disse...

Não tinha visto esse reply, desculpe. Já vendi o KP3 sim, já tem alguns meses.